Institucional

APRESENTAÇÃO

O Instituto Batista “Ida Nelson” é uma instituição confessional cristã pertencente à Convenção Batista do Amazonas cujos princípios, idéias, crenças e valores estão fundamentadas numa cosmo visão bíblica. No decorrer de seus anos de existência tem contribuído na formação , não apenas intelectual dos jovens neste Estado, mas também orientando-os nos princípios éticos e cristãos, sua principal marca. Seu projeto educacional representa um instrumento fundamental no desenvolvimento humano e cultural da Amazônia, através do cumprimento das finalidades e objetivos da Educação Nacional e na formação de valores que redundem em atitudes comprometidas com a cidadania, a democracia, e conseqüente luta pela justiça social.

NOSSOS PRINCÍPIOS

Deus é o soberano e o criador de todas as coisas. Assim, o homem foi por Ele criado a Sua imagem e semelhança donde provém sua dignidade e liberdade;

  • A educação escolar é um sistemático e intencional processo de interação com a realidade, através do relacionamento humano baseado no trabalho com o conhecimento e na organização da coletividade, cuja finalidade é colaborar na formação do educando na sua totalidade – consciência, caráter, cidadania – tendo como mediação fundamental o conhecimento que possibilite o compreender, o usufruir ou o transformar a realidade;
  • A escola constitui-se um espaço privilegiado de constituição de saberes e formação humana, contribuindo portanto com a construção da visão de mundo dos seus educandos através do conhecimento, das idéias, crenças e valores que contribuirão para a consolidação do caráter destes;
  • A dimensão do trabalho pedagógico assume uma escala de valores ético-cristãos, em que, os envolvidos, têm como princípios de convivência a autonomia, a solidariedade, a reciprocidade, o compromisso, o respeito e a responsabilidade;
  • O conhecimento é histórico, processual, portanto é sempre provisório e inacabado;
  • A construção de uma sociedade democrática tem como fundamento a cidadania sendo o conhecimento, condição necessária à formação do cidadão e a ética o princípio de sua atuação.
  • A disciplina é uma forma de contribuir para o desenvolvimento da organização intelectual e do comportamento humano;
  • A família é a principal parceira da escola nesse projeto de educação.

NOSSOS OBJETIVOS

  • Buscar estabelecer um processo de transformação do ambiente escolar, onde a pessoa, a obra e os ensinamentos de Cristo são prioridade, definindo posturas e atitudes, tanto nas relações internas, quanto nas relações externas com a comunidade em que está inserida, buscando ser fiel às suas origens;
  • Desenvolver a Educação Básica de crianças, adolescentes, jovens e adultos em consonância com os princípios, fins e objetivos da Educação Nacional;
  • Formar homens e mulheres conscientes dos seus direitos e deveres, cidadãos críticos, investigadores da realidade, íntegros, solidários e tementes a Deus, para atuarem criticamente na sociedade amazônica e brasileira;
  • Assumir a educação de qualidade que se manifesta na renovação dos objetivos, dos programas e da metodologia participativa, crítica e criativa, na construção coletiva do saber e do agir, na formação sistemática dos educadores, na integração dos segmentos, dentre outros.

NOSSA HISTÓRIA

“Um sonho que se sonha só, não passa de um sonho. Um sonho que se sonha junto é realidade.”

Contaremos aqui um pouco desse sonho, certos de que ainda temos muito para sonhar.

O INÍCIO DO SONHO – ACOLHENDO CRIANÇAS ÓRFÃS

Nomeado pela Junta de Richmond, o casal de missionários, Clemmie Hardy e Ethel Lee Cooper Hardy, chega a Manaus, em 1935, para substituir o missionário Eurico Nelson. Sensibilizado pela carência do lugar, o casal resolve acolher crianças órfãs em seu lar.

Com o decorrer do tempo, devido ao crescimento do número de crianças, o casal decide contratar uma professora para ajudar na condução e educação dos mesmos. E, em 1941 chega na cidade a professora Débora Serejo, recém formada pelo SEC, no Recife. As aulas são ao ar livre, debaixo das frondosas mangueiras, mas tarde, a professora Débora Serejo utiliza a varanda da casa dos missionários. O sonho estava apenas começando.

Com a chegada de mais alunos, o casal Hardy resolve abrir uma escola-internato, fazendo, no dia 02 de fevereiro de 1942, seu registro na Seduc (Secretaria de Educação do Amazonas), passando a existir legalmente como Escola Batista Ida Nelson. Uma homenagem à esposa do grande missionário Eurico Nelson.

O crescimento ainda obriga o casal Hardy a contratar mais professoras, assim, chegam Telezila Silva Lima, Janet Serejo e Maria da Paz Litaif. A profª Débora Serejo torna-se a diretora do Internato feminino e o Sr. José Lopes, o diretor do internato masculino.

O SONHO É INTERROMPIDO

Numa noite de domingo, no dia 15 de abril de 1951, um incêndio misterioso destrói completamente o internato feminino, que funcionava numas pequenas casas de madeira e alastra-se por toda a escola. Uma criança de dois anos, que estava ainda no berço foi salva por um motorista de ônibus. No momento do incêndio, as professoras e os alunos refugiam-se no templo da Igreja Batista Memorial, que na época funcionava numa casa alugada na rua Paraíba não muito distante da escola.

Avisados por um telegrama do que havia sucedido, o casal Hardy regressa de Belém e encontra todos os internos alojados em sua casa. Após tomarem conhecimento de tudo o que se havia perdido, os missionários exclamam: “Não tem importância. Deus vai nos dar outro prédio maior e melhor”. Devido ao grande estrago, a escola permanece por cinco anos sem funcionamento.

Por motivos de doença, no ano de 1953, o casal Hardy volta aos Estados Unidos, sendo substituído na direção da escola pela missionária Ona Belle Cox, sendo esta a primeira diretora no sentido real da palavra, ou seja, sem outras obrigações perante a Junta além de administrar a escola.

O SONHO É RECONSTRUÍDO

Em 1955, atendendo aos apelos dos missionários, os irmãos da América do Norte enviam recursos para a construção de um novo prédio em alvenaria, no mesmo local da casa que foi incendiada. Sob a orientação da então Convenção Batista do Amazonas e Roraima, hoje, Convenção Batista do Amazonas, a escola volta a funcionar apenas do Jardim da Infância ao 5º ano primário, sob a direção da missionária Ona Belle Cox.

É importante mencionar a participação do casal Pr. Lonnie e Janelle Doyle na reconstrução da escola. Foi o Pr. Lonnie que tomou a frente das obras de todo o prédio principal da rua Paraíba, incluindo o pavilhão superior direito onde hoje funciona o Ensino Médio.

Com a implantação do ginasial em 1962, a escola passa a se chamar Ginásio Batista Ida Nelson com 227 alunos, tendo no seu quadro 15 funcionários. Na época, o Ida Nelson tinha mais alunos bolsistas que pagantes, era uma escola pequena voltada para atender a crianças evangélicas e carentes.

Nesse mesmo ano, é criada a Junta Conselheira (Atual Conselho do IBIN) que se reúne pela 1ª vez em 20.08.62 tendo o irmão Lonnie Adolphus Doyle Jr como o primeiro presidente.

Depois do Pr. Lonnie, outros nomes assumiram a presidência da Junta:

  • Pr. Lonnie Adolphus Doyle Jr. – 1962 – 1964 / 1971 – 1977 / 1987 – 1987
  • Pr. Natanael Quadro Barreto – 1962
  • Dr. Joel Ferreira da Silva – 1965 / 1966
  • Pr. Antunes de Oliveira – 1966
  • Pr. Richard Walker – 1966
  • Dr. Moacyr Alves – 1967 / 1969
  • Dr. Manoel do Carmo Neves da Silva – 1970, 1975 / 1976, 1981, 1992 / 1994
  • Sr. Ulisses Pimentel – 1971
  • Dr. João Florêncio de Menezes – 1972 / 1974, 19991 / 1992
  • Dr. José das Graças Barros de Carvalho – 1978 / 1979, 1989
  • Pr. Firmino Alves Campelo – 1979 / 1980
  • Dra. Eunice Carneiro Alves – 1982 / 1983
  • Pr. Geraldo Dias Rocha – 1984 / 1986
  • Prof. José Jorge de Melo – 1987, 1998 / 1999
  • Prof. Almir de Souza Salvador – 1988 / 1989, 1996 / 1997
  • Dr. Elias Mendes dos Santos – 1990 / 1991
  • Dr. Raimundo Azevedo Pereira – 1994 / 1996
  • Profa. Mirian de Oliveira Moura e Silva – 1997 / 1998
  • Prof. Ivan Pereira de Lima – 1999 / 2000
  • Prof. Josias de Almeida Lira – 2001 / 2002

O SONHO PASSA PARA AS MÃOS DOS BRASILEIROS

No ano de 1963, a Profª Yvone Carvalho é nomeada pela Junta de Richmond como uma espécie de Vice-Diretora, e era quem respondia junto a Seduc (Secretaria de Educação do Amazonas) pelo colégio.

A partir do ano seguinte, a Missão Batista Equatorial inicia a entrega gradativa da escola à Convenção Batista do Amazonas e, no ano seguinte, uma Junta Administrativa é formada e esta elege a Profª Yvone Carvalho para ser responsável pelo primário e Talita Rodrigues Horwath como responsável pelo ginasial. Em 1968 é dado início ao curso Pedagógico com sete alunos.

Com o advento da Lei 5692/71, o Ida Nelson adapta suas atividades, implantando a Educação Pré-escolar, o curso de 1º grau (integração do primário e ginasial) e os cursos profissionalizantes à nível de 2º grau: Magistério, Secretariado e Técnico em Química.

Na reunião da Junta Administrativa de 04/12/71, a diretora Ivone solicita que seja feita no Estatuto a mudança do nome do ginásio para Instituto Batista Ida Nelson.

No dia 16 de agosto de 1975, é inaugurado o Teatro Batista Ida Nelson. No mesmo ano em que se comemora o Jubileu de Diamante do trabalho Batista no Amazonas.

As décadas de 70 e 80 marcam o auge da escola, onde as famílias mais tradicionais da sociedade queriam estudar no Ida Nelson. Atingiu-se a casa de 4.600 alunos aproximadamente, quando a escola funcionava nos três turnos, sendo que, à noite, a escola funcionava conveniada ao Estado. Na direção geral da escola estava a Profª Ivone e houve nesse período três vice-diretores: Prof. João Florêncio, Profª Gleide Santana e Prof. Adin Mohamed Trindade.

Em 1981, inicia-se o trabalho de educação Comunitária em um dos bairros carentes de Manaus (Coroado), atendendo a 100 crianças. A partir do ano de 2001 a escola Comunitária passou a ser o Anexo I, com uma nova construção, atendendo alunos da Educação Infantil até à 3ª Série do Ensino Fundamental. Hoje, o Anexo I do IBIN conta com 170 alunos matriculados.

O SONHO COMPLETA 50 ANOS

Com 2.554 alunos matriculados, o Ida Nelson comemora, em 1992, seu Jubileu de Ouro. Na época, é publicada uma revista resgatando a história da escola.

Em 1998, após 38 anos servindo o IBIN, a profª Ivone Carvalho aposenta-se e a Profª Eliana Vasconcelos Serrão assume interinamente a Direção da escola, enquanto o Conselho do IBIN lança no Brasil batista o processo de seleção para o novo diretor da instituição.

O SONHO COMEÇA A SER UMA REALIDADE

Após um processo seletivo a nível nacional, o Pr. Walmir Vieira, vindo do Rio de Janeiro, assume, no ano de 1999, a diretoria do IBIN. Na época a escola conta com 1.719 alunos matriculados.

Com uma visão administrativa moderna, o Pr. Walmir consegue reverter os índices de perdas de alunos que desde 1992 era em média de 10% ao ano e a escola tem um crescimento de quase 25%, passando a possuir, em 2000, 2.148 alunos. É a escola particular de Manaus que mais cresce neste ano.

Neste mesmo ano, o IBIN passa a ter, além do Diretor Geral, mais três Coordenadores: Profª Jane Lindoso – Coord. Pedagógica Geral, Profª Esther Dantas Grimm D’Farias – Coord. De Educação Cristã e Capelania e o Sr. Jaspe Correa Filho – Coord. Administrativo e Financeiro.

Além das muitas reformas nos prédios, a escola inicia a implantação de um sistema apostilado de ensino (O Sistema Positivo de Curitiba). Surge ainda neste ano, a escola de tempo integral, o TI, onde as crianças, da Ed. Infantil a 4ª série, podem passar o dia inteiro na escola.

No ano seguinte, a escola continua crescendo e chega a 2.575 matrículas. Por dois anos consecutivos é a escola particular que mais cresce em Manaus. Nesse mesmo ano, as salas do IBIN são utilizadas pela FBTA – Faculdade Batista do Amazonas, visando à implantação do Curso Superior.

Em 2002, o IBIN inicia o ano do seu Jubileu de Diamante com 2.790 alunos. Está confirmada como a maior escola particular da cidade. Suas dificuldades financeiras são sanadas, seus prédios, modernizados, e sua mobília e equipamentos, renovados. Ainda neste ano, mais dois novos prédios foram construídos para atender a grande demanda.

Hoje, o IBIN retoma seu sonho inicial ao apoiar de modo significativo o Lar Batista Janelle Doyle, uma instituição da Convenção, que atende mais de 120 crianças. O Ida Nelson tem apoiado o trabalho denominacional e suas entidades, colocando suas dependências a serviço das igrejas da Convenção. O IBIN é uma escola integrada à denominação, assumindo plenamente sua confissão de fé.

NOVOS SONHOS PELA FRENTE

O Instituto Batista Ida Nelson já é uma bela realidade. Mas tudo começou com um sonho. Um sonho que virou realidade nas mãos de tantos homens e mulheres de Deus que aqui doaram esforços, dinheiro, suor e lágrimas para vê-lo concretizado. Mas, o sonho continua, pois se deixarmos de sonhar deixaremos de existir.

Prof.ª Esther Grimm, maio de 2002.

MISSÃO

“Oportunizar ensino de qualidade, preparando o cidadão para atuar na sociedade com sabedoria.”

VISÃO

“Contribuir para a formação do cidadão proporcionando mais que conhecimento, sabedoria.”

HINO DO IDA NELSON

Letra: J.B. Barros / Música: G.M.J.

Ida Nelson, Colégio Batista,
Monumento de fé e amor
Tens no estudo a seiva altruísta
Que nos tornará homens de valor.

Ida Nelson tomas parte
Com denodo, engenho e arte
Em erguer o estandarte do saber
Certo ficarás na história
E nos levarás a glória
Eia, certos da vitória
Vamos combater!

Contra o vício, contra a corrução
É tua luta, nobre e sem rival
Instruindo e dando educação
Pra fazer do estudante o ser ideal.

FARDAMENTOS

Todos os alunos devem comparecer à escola com o uniforme completo, diariamente. Na falta de qualquer uma das peças do fardamento, o aluno será encaminhado à coordenação de convivência escolar para as deliberações sobre o caso. Fica certo que o aluno só terá acesso à sala de aula, devidamente uniformizado. O uniforme completo consta de:

EDUCAÇÃO INFANTIL

Calça tactel, bermuda vermelha, camiseta diária e tênis.

 

ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

Camiseta diária, calça tactel ou corsário e tênis.

 

EDUCAÇÃO FÍSICA/DESPORTO

Camiseta e short de educação física e tênis.

 

OBS.: Bonés, bandanas… não fazem parte do uniforme, portanto, devem ser guardados ao entrar na escola.

CONVIVÊNCIA ESCOLAR

O espaço escolar constitui um ambiente de convivência onde se desenrolam as diversas relações entre alunos, pais, professores e equipe técnica. Assim, a disciplina escolar é um instrumento pedagógico que harmoniza as relações interpessoais e um valor que favorece o processo de ensino-aprendizagem. Além do que, é necessário para dar ao jovem, parâmetros (limites) balizadores de suas atitudes, pois ninguém pode, na sua relação com o outro e consigo mesmo, fazer tudo o que quer a qualquer momento sem considerar as consequências que isso lhe impõem. Assim sendo, esse é um princípio básico na organização de nosso trabalho pedagógico e para esclarecermos como isso se dá, fazemos abaixo considerações essenciais a esse respeito.

HORÁRIO DE ENTRADA E SAÍDA

Ser pontual é um hábito, como hábito precisa ser adquirido e para isso é necessário a vivência diária. Assim, informamos nossos horários para que os pais possam auxiliar seus filhos quanto a essa prática.

  • No horário matutino, a entrada dos alunos será das 7h.as 7:15 e a saída. 11h 25min ou 12h 10min
  • No turno vespertino, a entrada dos alunos será das 12h 50min as 13h. e a Saída as 17h 10min ou 17h 55min.
  • Os alunos que chegarem após os horários estipulados para entrada, serão encaminhados à coordenação de convivência escolar que fará a entrada dos mesmos, em sala de aula ao final dos quinze minutos de tolerância. Os alunos que chegarem após esse horário também serão encaminhados à coordenação, mas só poderão entrar em sala na segunda aula. No terceiro atraso o aluno não entrará em sala de aula.
  • os alunos não poderão esperar seus responsáveis no portão ou na frente da escola. Os alunos de 6ªa 9ª e ensino médio só sairão desacompanhados com autorização por escrito dos responsáveis, preenchida em formulário próprio da escola.
  • Os alunos da educação infantil até a 5ª série só sairão com seus responsáveis ou com pessoas que tenham sido autorizadas pelos mesmos, através do preenchimento da autorização de saída. A escola não entregará nenhuma criança a pessoas desconhecidas. Também não atenderá autorização por telefone ou em forma de bilhete, mesmo que seja apresentada a carteira dos pais ou responsáveis

A entrada acontecerá pelos portões da Rua Terezina estacionamento.

Saídas durante o horário de aula. Só serão permitidas, por consultas médicas e/ou urgências dos responsáveis, liberadas mediante pedido por escrito ou mediante a presença do responsável na escola.

FARDAMENTO

Todos os alunos devem comparecer à escola com o uniforme completo, diariamente. Na falta de qualquer uma das peças do fardamento, o aluno será encaminhado à coordenação de convivência escolar para as deliberações sobre o caso. Fica certo que o aluno só terá acesso à sala de aula, devidamente uniformizado. O uniforme completo consta de :

  • Educação infantil: calça tactel, bermuda vermelha, camiseta diária e tênis.
  • Ensino fundamental e médio: camiseta diária, calça tactel ou corsário e tênis.
  • Educação física/desporto: camiseta e short de educação física e tênis.
  • Bonés, bandanas… não fazem parte do uniforme, portanto, devem ser guardados ao entrar na escola.

TODO ALUNO TEM DIREITO

  • Encontrar na escola ambiente que favoreça seu desenvolvimento intelectual, moral, social, psicológico.
  • ter aulas ministradas por professores competentes, pontuais e assíduos
  • Receber tratamento condizente à pessoa humana.
  • Utilizar quadra e material de esporte, de acordo com os horários e tabelas que visem à oportunidade para todos os alunos.

TODO ALUNO DEVERÁ

  • Permanecer em sala de aula na troca de professor
  • Permanecer na escola durante todo o horário escolar, não se ausentado sem a devida autorização, por escrito, dos pais ou coordenação.
  • trazer o material didático necessário às aulas e tarefas escolares.
  • Zelar por sua saúde. O colégio não recomenda o uso de bebidas alcoólicas e proíbe seu uso nas dependências ou proximidades da escola. A mesma regra vale para o fumo.
  • zelar pelo patrimônio da escola evitando rabiscos e quebra de material ou qualquer outra ação que seja caracterizada como dano. Caso isso ocorra, o aluno será responsável pelo conserto ou reposição dos objetos danificados. Também não orientamos o uso de qualquer gomas de mascar nas dependências da escola.
  • respeitar professores, funcionários e colegas evitando grosserias, palavrões ou gestos indecorosos.
  • manter o celular desligado na sala de aula, caso traga.
  • acatar decisões tomadas pela direção, equipe técnica e professorado, relacionadas com o bom andamento da vida escolar
  • cumprir e fazer cumprir o regimento escolar
  • participar das programações promovidas pela escola: atividades em geral, momento cívico, capela, etc.

ORIENTAÇÕES GERAIS

  • O aluno poderá requerer prova de 2ª chamada , até 48 horas após a realização da prova, mediante petição dirigida ao coordenador pedagógico de segmento em que justifique sua ausência. Os custos oriundos da realização da prova serão cobertos pelo responsável (taxa por disciplina).
  • apresentar atestado médico em caso de falta por doença. Em caso de doença infecciosa, não deverá comparecer à escola até receber autorização médica a ser entregue na coordenação de convivência escolar ou de segmento.
  • A escola não permite o namoro em suas dependências ou proximidade.
  • O aluno que desrespeitar ou descumprir as normas vigentes, será encaminhado à coordenação de convivência escolar para os devidos procedimentos, de acordo com o regimento da instituição.
  • Será aplicada suspensão aos alunos que infringirem as normas disciplinares e que tento sido acompanhado pela coordenação de convivência escolar continuam manifestando as mesmas atitudes. A suspensão será cumprida na escola e em atividades orientadas pela coordenação.
  • Os alunos reincidentes ou não, dependendo da situação, poderão assinar um termo de responsabilidade. O termo implica o comprometimento do aluno em sua melhora educativa.
  • Em caso de inadaptação às normas regimentais, a família será cientificada, orientada quanto à condução do aluno a um outro estabelecimento de ensino, visando seu desenvolvimento. Este procedimento poderá ocorrer em qualquer época do ano.
  • É vedado ao aluno trazer para a escola objetos de valor (jóias, games, aparelhos eletrônicos, etc) ou mesmo grande quantia em dinheiro para pagamento de mensalidades e outros serviços escolares, pois a escola na se responsabilizará por danos ou perdas dos mesmos.
  • O aluno é o responsável pelos seus objetos pessoais, materiais didáticos, devendo ter por eles zelo e cuidado. A escola não fará o ressarcimento da perda ou sumiço de qualquer um deles.
  • A responsabilidade da organização da rotina escolar é inteiramente da instituição.
0
Connecting
Please wait...
Envie uma mensagem

Desculpe, não estamos online no momento. Deixe um recado.

* Seu nome
* E-mail
Descreva sua dúvida
Conecte-se agora

Precisa de mais ajuda?

* Seu nome
* E-mail
Descreva sua dúvida
Estamos online!
Feedback

Ajude-nos a ajudá-lo melhor! Não hesite em nos deixar qualquer comentário adicional.

Como você avalia nosso suporte?